Quem sou eu?

Minha foto
Baixista e vocal limpo em World In Decay | Vocalista e tecladista em Deep Marks

Entrevista com Gil Lopes (vocalista) e Karim Serri (guitarrista) da banda Doomsday Hymn

Olá galera!! É com grande prazer, que trago hoje uma entrevista exclusiva com a banda paranaense Doomsday Hymn. Nessa entrevista, participaram Gil Lopes (vocalista) e Karim Serri (guitarrista).


Gil Lopes

Como ocorreu o surgimento da banda e quais foram seus fundadores?

Gil: O Jarlisson e eu iniciamos a banda. Na época, eu havia recém chegado à Curitiba e ansiava por montar uma nova banda com um som moderno e que fosse diferente de tudo que vinha surgindo no país. Creio que conseguimos um bom resultado. (risos)

E como conseguiram! Quem escolheu o nome "Doomsday Hymn" e por qual motivo?

Gil: Basicamente, eu mesmo. Após varias sugestões e ideias que não passaram, este nome foi o que mais agradou a todos pelo fato de ser um nome forte e que se encaixava perfeitamente no contexto em que estávamos vivemos onde todos falavam do fim do mundo. Em parte, graças ao Calendário Maia. (risos)

Se você tivesse que escolher apenas uma música para representar a "cara da banda", qual música escolheria e por quê?

Karim: Pergunta difícil pois há climas e momentos diferentes no disco. Músicas mais Thrash oitentista, músicas mais modernas, mas, acho que a música "Mene Tequel Ufarsim" é a que melhor nos representa.

Qual das músicas é a preferida pelos integrantes da banda?

Karím: Minha preferida é "Medos", mas, varia de um para outro. As "mais mais" por aqui são "Medos", "Guerreiro", "O Gigante", "A Resposta" e "Mene Tequel Ufarsim". 

Como ocorreu a entrada de Karím Serri na banda?

Gil: O Karim era, até então, nosso produtor e estávamos com Andre Ribas (Revide) como membro, porém, o mesmo não dispunha de tempo para banda e nos deixou após compor duas musicas conosco. Com a data do show de estreia se aproximando, resolvi convidar o Karim para participar e a química nos ensaios e no palco foi incrível, então, não tivemos dúvida em convidá-lo a ingressar.

Quais dificuldades a banda passou ou enfrenta atualmente?

Karim: Sem ser nem um pouco criativo, grana! A questão financeira pega demais, são muitos investimentos e quase nenhum retorno. Temos várias propostas para tocar em vários lugares mas, a questão da grana no underground é um fator determinante. Temos conseguido levar muito bem o lance do tempo e do relacionamento mas, falta investimento externo.

Já foi presenciada alguma situação engraçada durante alguma apresentação da banda?

Gil: Olha, já sim! (risos) O Angelo é um cara extremamente dedicado, porém, tem tido um azar enorme nos locais onde tocamos. Nos 3 últimos shows, ele teve problemas com o equipamento. Em sua maioria, problemas técnicos com energia e tal, só que nós não prestamos nem um pouco, e ficamos pegando no pé dele dizendo que ele não sabe usar os equipamentos, e como isso ocorre sempre na passagem de som, tem sido um alivio cômico à tensão pré-show. (risos)

Qual(is) o(s) compositor(es) da banda?

Gil: Todos os membros. Normalmente, algum dos integrantes chega com o esqueleto de uma música e iniciamos o processo de arranjos. O Jarlisson escreve a bateria e em seguida, escrevo a letra e crio as linhas vocais.


Karim Serri


Quem é a pessoa mais agitada e a mais tranquila dentre vocês?

Gil: Vou deixar que o Karim responda essa. (risos)

Karim: Bom, o Gil é ligado no 330V não preciso nem dizer que ele é "motivo de chacota". Costumamos dizer que não dá pra saber o que é pior, ele de mal humor ("quietão", não fala uma palavra) ou de bom humor (fala mais que papagaio de madame).

O que você tem a dizer a respeito do cenário underground curitibano atual?

Karim: Rapaz, se no Brasil a coisa tá feia, aqui tá pior. Cena ruim, parada decadente sem apoio. Mas... Somos nós que a fazemos então o lance é seguir na luta.

Em que bandas vocês se inspiram musicalmente?

Karím: Em todas e em nenhuma. Eu, particularmente, costumo compor sem pensar nisso ou naquilo e ao mesmo tempo me preocupando que a coisa tenha uma identidade, que não fuja dos padrões, mas, que não seja viajante demais! Sempre penso no cara que vai escutar. Esse lance de compor sem se preocupar com o público é balela, se você não pensar no cara que vai ouvir, então é melhor gravar numa fita K7 e guardar no armário! 

Qual a principal finalidade da banda? 

Karim: Levar a Cruz à todas as pessoas da Terra.

A música e o clipe de "Mene Tequel Ufarsim" já podem ser considerados os maiores sucessos da banda até agora?

Gil: Acredito que os números de views deixam claro isso, porém, eu não apostaria todas as minhas fichas nessa. Aguardem os novos vídeos. (risos

O que esperar da banda em lançamentos e novos projetos?

Gil: Muita coisa está pra rolar e vou deixar algumas delas registradas aqui: O lançamento do disco nos EUA e Europa, ambos no formato físico e digital. Uma tour por toda Sul-America (inclusive no Nordeste do país) e dois novos videoclipes.

Fiquem à vontade agora para fazerem suas considerações finais.

Gil: Primeiramente, muito obrigado pelo espaço e apoio! Em segundo, obrigado aos amigos, parceiros e fãs que têm nos mostrado a cada dia que estamos no caminho certo. Só posso dizer que tem muita coisa boa por vir. Aguardem!

Karim: Valeu pelo apoio, que vocês e nós sigamos nessa luta e como diz meu parceiraço Angelo: Never forget the Cross! Vocês pegaram o Gil de bom humor senão a entrevista estaria em branco!


Da esquerda para à direita: Angelo Torquetto (guitarrista), Allan Pavani (baixista), Gil Lopes (vocalista), Karim Serri (guitarrista) e Jarlisson Jaty (baterista).

Assista ao clipe "Mene Tequel Ufarsim":


Redes Sociais da Banda: Facebook | Site Instagram 

Nenhum comentário:

Postar um comentário